Menu principal                 [Fechar]


A história do COBOL


Volta ao Menu Principal


Desenvolvido por DORNELLES Carlos Alberto - Analista de Sistemas - Brasília DF.

A história do COBOL

Em 1959, foi tomada a decisão de criar uma fonte de linguagem apropriada para dados comerciais, em uma reunião no Pentágono em Washington, DC.

Os participantes desta reunião eram representantes de usuários de computadores na indústria privada e governo, fábricas de computadores e outras partes interessadas.

O propósito da reunião era discutir a necessidade de uma linguagem geral, direcionada para serviços dentro de dados comerciais, e a possibilidade de criar desta maneira uma linguagem. Como resultado uma comissão foi nomeada com o nome de CODASYL (Conference On Data System Languages).

A comissão começou a analisar as questões discutidas na reunião e uma subcomissão foi, diretamente, incumbida da tarefa de definir uma linguagem adaptada para administrar processamento de dados.

Em 1960, foi publicada a gramática, usualmente chamada Relatório COBOL-60. Esta linguagem continha inúmeros erros e logo foi revisada, em 1961, e o Relatório COBOL-61 foi publicado, formando a base para os mais comuns compiladores COBOL.

A continuação do trabalho da comissão estava mais concentrada em seguir todos os passos originados no Relatório COBOL-61. Isto levou a uma versão ampliada do COBOL, descrita em um Relatório provisório "COBOL-61 - Versão Estendida", que foi publicada em 1962.

Formalmente, isto significava que um número de novos elementos foi adicionado ao Relatório anterior. Um relatório completamente novo foi publicado no fim do ano de 1965, e foi definido como COBOL-65. Ele continha praticamente todos os elementos de "Versão 4 Estendida", porém numa forma totalmente revisada, junto com alguns elementos novos, projetados principalmente por causa do uso expressivo das memórias de acesso aleatório (RAM).

Embora o COBOL tenha sido desenvolvido e mantido pela CODASYL, ele foi também estabelecido como uma Linguagem Padrão pelo Instituto Americano de Padrões Nacionais (ANSI).

Os fornecedores dos compiladores COBOL geralmente se baseavam no COBOL Padrão Nacional Americano. Um padrão inicial, noticiado em 1968, foi revisado em 1974 e novamente na metade dos anos 80.



A popularidade do COBOL

    COBOL é uma velha Linguagem de Programação, então o que a faz permanecer tão popular?

  • Amplamente usada - é bem correspondida por arquivos direcionados (parte essencial da Programação Comercial) como armazenamento e restauração de informações;
  • Documentação - suporta muito bem o idioma inglês como Linguagem de Programação, portanto, é autodocumentável e suas instruções são de fácil leitura e compreensão.
  • Compatibilidade - a Linguagem é uma máquina independente. Um programa escrito em COBOL para um tipo de computador pode ser executado em qualquer outro tipo, somente com algumas modificações;
  • Padronização - existe uma versão do COBOL que foi aceita como padrão pelo Instituto Americano de Padrões Nacionais (ANSI);
  • Com o crescimento de novas necessidades, o COBOL é constantemente revisado e atualizado;
  • Ótimos programas já foram escritos em COBOL. A Linguagem ficou tão enraizada na maioria dos negócios, que se tornou permanente. Após todas estas vantagens você pode perguntar porquê o COBOL não é abordado mais amplamente nas Escolas e Universidades. Bem existem algumas desvantagens:
  • Por causa de sua autodocumentação, o COBOL é demorado. Você perde mais tempo codificando e digitando programas nesta Linguagem do que em outros tipos;
  • Abrangência Limitada - COBOL não é uma Linguagem universal para todos os tipos de processamento.

  • A COBOL está sendo aperfeiçoada. Estima-se que 60% do código de software no mundo inteiro e 9,5 milhões de programas de aplicação utilizem COBOL.
  • Ferramentas de desenvolvimento de software baseadas em servidores e estações de trabalho permitem aos programadores em COBOL projetarem seu código para aplicações cliente/servidor e internet.
  • O desenvolvimento desse código em COBOL pode ser mais barato do que reescrever uma aplicação em uma linguagem mais nova ou manter um dispendioso ambiente COBOL de mainframe.
  • Apesar de seus 43 anos, ela ainda é considerada uma linguagem muito eficaz e ferramentas de desenvolvimento de software estão sendo utilizadas para permitir que usuários desenvolvam aplicações com um processo visual de indicar-e-clicar.
  • A COBOL tem sido utilizada de modo extensivo por anos. E muitas organizações não seriam facilmente conencidas a abrir mão de tudo isso.



Volta para o início da página

Volta ao Menu Principal